Follow Us

top social

top navigation

Instagram

recent posts

Press

Flickr Images

Like us on Facebook

segunda-feira, 28 de fevereiro de 2011

Podia escrever aqui mil e uma palavras para descrever as saudades que sinto de ti, e do quanto me fazes falta nos momentos mais difíceis. Naqueles em que sinto que ninguém me compreende. Naqueles em que só tu saberias como me fazer sorrir de verdade. Nenhum deles és tu...
Tem sido uma luta constante para chegar ao fim do dia, deitar a cabeça na almofada e não chorar. Nem sei de onde vem esta força toda. Talvez das recordações que tenho tuas. Nossas. Aquelas que me enchem os pensamentos e me preenchem o coração. É nelas, é em ti que penso todos os dias, todas as noites em que adormeço a olhar para a nossa última fotografia. Lembraste dela? Ainda a tens contigo? A minha anda sempre comigo para todo o lado. É como um amuleto. Ainda consigo sentir o vento a bater no meu rosto. Ainda consigo sentir o cheiro a mar. Ainda consigo ouvir o clique da máquina fotográfica.
Como eu gostava de fazer o tempo voltar atrás. Regressar ao primeiro dia em que os nossos olhares se cruzaram na paragem de autocarro da pequena aldeia. 
Imagina poderes viver tudo de novo. Tudo de novo, sem mudares um segundo daquilo que passámos juntos.
Imagina.

domingo, 27 de fevereiro de 2011

Queria um destes agora mesmo, aqui ao meu lado. Só eu e ele, nada de rapazes.
A última coisa que queria hoje era fazer um trabalho de Português que a professora pediu para amanhã sem falta. Mas fi-lo. E assim que acabei, uma janelinha laranja começou a piscar. Era a Joana: É só para avisar que amanhã não há Português. Pois.

assunto: para uma pessoa especial!

Obrigado por este e-mail tia.

sexta-feira, 25 de fevereiro de 2011

Mais uma jornada complicada. Tudo por causa do coração. Ele está magoado. Não sabe em quem confiar a não ser nele próprio.
As pessoas têm vindo a desiludi-lo, e isso é quase como espezinhá-lo. As pessoas que ele mais ama, aquelas que pensava que nunca o iam desiludir. E agora está triste, como nunca esteve antes, esperando um sopro leve e quente de alguém que saiba consertar corações. Ele parou agora mesmo. Já não o sinto. Apenas um vazio...
A minha confiança não se recomenda hoje, nem ontem se recomendou, nem amanhã se recomendará. E com amigos assim, nem daqui a muitos dias.

quinta-feira, 24 de fevereiro de 2011

quarta-feira, 23 de fevereiro de 2011

Pede um desejo. Queres ajuda? Eu ajudo. Diz que queres ficar comigo para sempre. Agora fecha os olhos e sopra.

parabéns avozinho!

Gosto muito de ti.
És tão ou mais insensível que um calhau. Não suporto isso em ti. Odeio mesmo.

segunda-feira, 21 de fevereiro de 2011

Hoje não queria estar fechada dentro de quatro paredes. Sinto aquela necessidade íntima de viajar comigo própria. Conhecer locais onde nunca estive e absorver cada recanto das mais estreitas ruas por onde possa passar. Queria subir aos monumentos mais altos e sentir-me ainda maior e com mais história do que eles. Acho que o problema tem sido mesmo esse. O coração é tão grande, grande demais, para tão pouca história. Por isso, tenho de viver. E viver é lançar-me de uma ponte. É ir à Lua. É ir à luta. Por mim, não por ti, quero ir até ao fim do mundo. E vais ver-me lá chegar. Minúscula pela distância. Um minúsculo tão grande, que preencherá todo o meu coração e o sufocará de vida.
Eu e a Joana fizemos o teste de Português juntas, numa sala à parte, vigiada por uma contínua. Então não é que a mulher até nos incentivou a trocar ideias. Ou por outras palavras... Incentivou-nos a copiar! Vê-se mesmo que é fã do Tony Carreira, haha.

luzes.

domingo, 20 de fevereiro de 2011

Durante as últimas aulas de Educação Física temos treinado a coreografia de avaliação de dança. À mistura vamos saltar à corda, com uma das grandes, sabem. O melhor disto tudo é ver os rapazes sempre amuados quando não têm espaço na corda para puderem saltar também. É hilariante. São piores que as meninas.
Tenho medo dos meus sonhos. Apenas porque sinto que eles nunca se irão realizar. Vejo a vida ultrapassar-me. As pessoas a irem com o vento, sobretudo as mais importantes. E eu continuo aqui, parada, com medo de avançar, apenas porque sou fraca. Sim, muito fraca.
Hoje fiz bolachas. Fiz com formas de corações e estrelas. Ah, e árvores de Natal para o João Pedro.
Então não é que na sexta-feira acordei mais cedo de propósito para ir rever a matéria de Português e mais tarde quando chego à aula a senhora professora diz que se esqueceu dos testes. É bem, é bem.

sábado, 19 de fevereiro de 2011

só para avisar #8

Decidi mudar o nome do blog. Queria algo em português, sabem. E lembrei-me do primeiro nome deste blogue. Nem queiras saber de mim. É como se voltasse às origens. 
Para quem não sabe, este é o título de uma música linda do Rui Veloso que eu adoro.

horas extraordinárias.

Gosto pouco de trabalhar para os outros. Muito menos quando o meu esforço não é recompensado. Ontem, acabei as aulas à uma e meia e só cheguei a casa às nove e meia da noite. Tudo porque tive de acabar uma exposição que tinha de estar pronta na segunda-feira, com o João Pedro. A sério, se não fôssemos nós, eu queria ver o que era feito do grupo de Área de Projecto e da nossa maravilhosa escola. E sim. Sintam a ironia quando falo da minha escola.

sexta-feira, 18 de fevereiro de 2011

Há muito que não escrevo nada. O tempo tem sido escasso.

segunda-feira, 14 de fevereiro de 2011

muletas,

as minhas novas amigas.

domingo, 13 de fevereiro de 2011

Pressinto que daqui em diante nada vai ser agradável. Só espero que não tenha razão.

ventos distintos

Porque não deixámos que a nossa história se transformasse numa bonita melodia? Porque não escrevemos a letra da nossa canção, palavra a palavra, juntos? Porque não a cantámos e cruzámos e enlaçámos as nossas vozes como ventos distintos? 
Nada seria tão difícil como agora.

sábado, 12 de fevereiro de 2011

one of us

If God had a name what would it be? And would you call it to his face? If you were faced with him in all his glory what would you ask if you had just one question?
What if God was one of us? Just a slob like one of us. Just a stranger on the bus trying to make his way home.
If God had a face what would it look like? And would you want to see if seeing mean that you would have to believe in things like heaven and Jesus and the saints and all the prophets?
What if God was one of us? Just a slob like one of us. Just a stranger on the bus trying to make his way home. Back up to heaven all alone.

quarta-feira, 9 de fevereiro de 2011

conversas paralelas #13

- Está está.
- Está está?
- Sim, está está.
- Mas está está o quê?
- Isto! Está está.
- Ahh, está está!

(nem tentem perceber...!)

notebook

Podes sorrir. Podes rir e fazer-me rir. Podemos chorar juntos. Podes bater o pé. Podes ser diferente. Podes abraçar-me. Podemos nos beijar. Podes ser parvo. Podes fugir. Podes voltar... Como sempre fazes.

terça-feira, 8 de fevereiro de 2011

nevoeiro


E a história repete-se, vezes e vezes sem conta. Todas as manhãs, envoltas em nevoeiro, ela olhava pela janela. A esperança no seu coração atingia o auge. Esperava e esperava, por alguém que cruzasse as baixas nuvens que cobriam o alcatrão ao longo da estrada por onde ele supostamente viria. Esperava e esperava, e acabava por desistir. Mas a história repetia-se. vezes e vezes sem conta. Todas as manhãs envoltas em nevoeiro.

domingo, 6 de fevereiro de 2011

recordações - 6

As promessas não fogem com o vento. E se fogem é porque as deixamos. As nossas ainda as tenho guardadas no coração.
Quero que saibas que se não tenho estado presente de alguma forma, não é por não querer estar contigo, é por querer apenas estar comigo. Sinto que preciso de um tempo para mim.
Eu amo-te como da primeira vez em que percebi que eras tu a melhor amiga que alguma vez poderia ter. Não, amo-te ainda mais do que nesse momento! Depois de tudo o que já passámos, não quero voltar a sentir que te estou a perder novamente. Tu és e sempre serás a minha hermana.
Quero e vou estar mais presente na tua vida, prometo. Devo-te isso por tudo aquilo que fazes por mim, por nós.
Desculpa. Te amo hermana.

Terça-feira, 29 de Junho de 2010
"Eu vivo um refrão antigo, feito às pressas, plágio de uma bela melodia. Eu vivo um sonho toda noite, eu vivo a noite todo dia."

sexta-feira, 4 de fevereiro de 2011

terça-feira, 1 de fevereiro de 2011

frio

É este frio. Foi ele que te trouxe e é ele que te leva agora para longe de mim. Parece que nada mais importa. De facto, não importa. 
Partiste e levaste o meu coração contigo, e sem ele e sem ti, são as recordações, as melhores de todas, que aquecem o que restou de mim.

eu gosto de ti, fevereiro.