Follow Us

top social

top navigation

Instagram

recent posts

Press

Flickr Images

Like us on Facebook

domingo, 13 de março de 2011

Olhou uma última vez para o pequeno relógio de bolso que herdara do seu avó, já falecido. Por momentos, fixou o seu pensamento naquele ser humano que tanto o fez sorrir com as histórias das suas conquistas. Gostava particularmente de ouvir o velhote contar como conheceu, e quantas loucuras cometeu para conquistar a dona Francisca, sua avó. Contudo, algo o fez retomar à realidade. 
Quando olhou para o relógio com olhos de ver, apercebeu-se o quão tarde já se fazia, e decidiu abandonar a esplanada do café onde se encontrava. Os olhos azuis, cor de mar, olharam o céu a querer escurecer enquanto o seu corpo cortava a esquina daquela rua e começava a descer a avenida. A sua mente já vagueava num outro lugar. Como gostava de o fazer. Perdia-se em recordações, pensamentos. Fazia-o para não pensar na vida que agora levava, todos os dias. Fazia-o para não pensar em quem não o merecia. Aquela que o deixou à espera na esplanada, até o céu escurecer. 
Afinal, era somente ele que estava perdido. De amor. Não correspondido.

5 comentários:

  1. tenho sempre comigo uma ligeira tendência suicida ahah

    ResponderEliminar
  2. Está bonito. Se perder em recordações, em pensamentos, nos faz bem. Como forma de escapar também funciona, digo isso por experiência própria. E o fiz pelo mesmo motivo do personagem principal.

    ResponderEliminar
  3. uau, que bonito. adorei, adorei mesmo.
    e muito obrigada <3

    ResponderEliminar
  4. nao sei princesa, nao sei se quero continuar a visitar isto, que me traz tantas recordações dele :$

    ResponderEliminar

"Nada me prende a nada.
Quero cinquenta coisas ao mesmo tempo."