Follow Us

top social

top navigation

Instagram

recent posts

Press

Flickr Images

Like us on Facebook

segunda-feira, 17 de janeiro de 2011

21:45

Não sei se em algum momento te deixei de amar. Partias e voltavas, como aliás sempre fizeste. E neste compasso de espera entre as tuas rápidas, mas calorosas visitas, os sentimentos iam desvanecendo-se, até serem apenas memórias antigas movidas pelas noites em que me deixavas tocar a lua. Mas como sempre voltavas a bater à minha porta, e as memórias regressavam à velocidade da luz, até à realidade.

13 comentários:

  1. respira fundo e escreve , escreve tudo o que tens a dizer , é uma das maneiras que uso ...
    é mau , quando eles vão e voltam ? e fazem isso , vezes e vezes sem conta não é ? :/

    ResponderEliminar
  2. Por vezes, parece que me tiras as palavras da boca!

    ResponderEliminar
  3. quero as vossas opiniões e se gostarem seguiam-me :$
    quero contar com vocês.
    obrigado.
    e com vocês e com as vossas opiniões que vou evoluir.

    http://clicks-de-amor.blogspot.com/


    se quiser passa a mensagem :$

    ResponderEliminar
  4. talvez chegue a uma altura em que temos de abrir os olhos querida :/

    ResponderEliminar
  5. isto é da Margarida Rebelo Pinto?jinho*

    ResponderEliminar
  6. Desculpa linda, é porque voces pensam e escrevem muito parecido entao :)

    ResponderEliminar
  7. bah' mas tu escreves bem de mas ;D
    gostei mesmo de tudo aqui'
    continue sempre assim, tens futuro seu blog ^^

    divulgando' (:
    http://leonarrdolima.blogspot.com/

    ResponderEliminar

"Nada me prende a nada.
Quero cinquenta coisas ao mesmo tempo."